6496
Páginas Visualizadas Hoje

Autor: Aline - Data: 06/04/2017 14:35

Bancos e cartões de crédito correspondem a 50% das demandas do Procon

Pessoas como José Carlos, do Portal dos Nobres, demonstram confiança no órgão criado para defender os direitos dos consumidores (Texto e entrevistas: João Vitor Sant"ana / Imagem: Waddy Carneiro)
Facebook Twitter LinkedIn Google+ Addthis Bancos e cartões de crédito correspondem a 50% das demandas do Procon

As transações bancárias e via cartões de crédito correspondem às maiores demandas do Procon de Guaxupé. A informação foi transmitida pela advogada Maria Amélia Chueiri, coordenadora do referido órgão, com quem o Jornal JOGO SÉRIO manteve contato nesta quarta-feira, 5 de abril. Dedicada à defesa dos direitos dos consumidores, a entidade em questão mantém atendimento público, com o objetivo de solucionar conflitos entre partes, nas ocasiões de negócios mal sucedidos, por uma série de situações.

As reclamações são as mais variadas, mas em metade de todo o atendimento feito no Procon, os bancos e crediários estão envolvidos: “No último ano, tem aumentado cada vez mais a demanda referente a cartões de crédito e bancos, ocupando cerca de aproximadamente 50% das reclamações”, confirmou a responsável pela unidade. Segundo ela, em contrapartida, a maior parte das empresas notificadas tem apresentado resposta, vontade de negociar e tabular acordos com os reclamantes.

Habituado a receber pedidos de intervenções dos mais distintos, o Procon guaxupeano precisa manter controle e transmitir orientações nem sempre da forma que o consumidor espera: “Às vezes, os consumidores não apresentam razões que justifiquem nossa atuação. Neste caso, eles são orientados a procurar a Justiça por meios de advogados, Defensoria Pública, Juizado Especial ou outro meio. A coisa mais difícil, no Procon hoje, é explicar para a pessoa que ela não tem direito, ou que a reclamação dela não é cabível” observa Maria Amélia, que ainda complementa: “se você compra um produto e ele vem defeituoso, ou numa situação de desacordo comercial em relação ao tipo de pagamento, sempre que houver uma ofensa à relação de consumo, o Procon atua”, esclareceu a coordenadora.

 

COM a palavra, os consumidores...

Entre os usuários, ouvidos nesta matéria, a imagem do Procon de Guaxupé realmente está muito boa: José Carlos, morador do residencial Portal dos Nobres, diz estar contente com o serviço prestado: “O atendimento daqui é excelente! Já tive questões no passado e fui atendido muito bem! É  rápido, confortável, sem burocracia e tem lugar para sentar”, brinca o cidadão, que procurou o órgão pela segunda vez: “Agora, estou aqui para resolver um problema com a empresa de assinatura de TV”, estende-se ele. “O programa de proteção aos direitos do consumidor tem o dever de resguardar aqueles que tiveram seus direitos de alguma forma violados”, concluiu Maria Amélia, que informou, ainda: “As empresas cada vez mais se mostram interessadas em ouvir e resolver o problema de seus consumidores”. Situada à Rua Mancini, nº 117, na área central de Guaxupé, a unidade mantém expediente de segunda à sexta-feira, das 8h às 16h45 (informe-se ainda pelo telefone (35) 3551-7858).

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.







Quem Somos

Redação: R. Dr. Joaquim Libânio, nº 532 - Centro - Guaxupé / MG.
TELs.: (35) 3551-2904 / 8884-6778.
Email: [email protected] / [email protected]