962
Páginas Visualizadas Hoje

Autor: Carlos Alberto - Data: 02/10/2017 14:20

Em crise, Apae de Guaxupé corre o risco de ficar sem energia elétrica

Mensagem interna de whats app vazou e cidade toda ficou sabendo de mais um problema financeiro da Associação
Facebook Twitter LinkedIn Google+ Addthis Em crise, Apae de Guaxupé corre o risco de ficar sem energia elétrica

Uma mensagem nas redes sociais, emitida nesta manhã de segunda-feira, 2 de outubro, externou mais uma vez os problemas financeiros da Apae de Guaxupé. Com um débito de R$ 2.104,28 junto à CEMIG, a entidade teve a ameaça de suspensão da energia elétrica, que já havia sido parcelada. O fato, que evidentemente viralizou na internet, gerou a mobilização de pessoas de diferentes áreas da sociedade, as quais apiedaram-se com a situação drástica da instituição, onde 50% do atendimento já foi cortado. Vítima de repasses insuficientes do poder público, a Associação “arrasta-se” por meio das doações e às vezes de sacrifícios desencadeados pela sociedade civil. Contudo, as ações da iniciativa privada e de pessoas preocupadas com o futuro da escola especial não têm sido eficazes para a manutenção do local.

A notícia sobre o risco do corte da “luz” ocorreu logo de manhã, tendo sido feita por funcionários, os quais transmitiram o problema à diretoria. A partir daí, uma corrente virtual passou a ser feita, tendo alcançado expressivo número de pessoas: “O que aconteceu é que a CEMIG veio aqui sim, mas não foi efetuado o corte, pois pedimos um prazo a eles, diante da situação, pois está uma crise no País, como todos acompanham e, na Apae, não é diferente! Hoje foi a energia elétrica, mas temos também problemas com o pagamento de salários, com o combustível e cada dia é uma coisa que acontece. Mas, por outro lado, as pessoas têm se prontificado, o poder público já entrou em contato e acredito que sanaremos este déficit para efetuar o pagamento da conta de energia”, disse a gerente administrativa, Jenifer Fernandes.

Presente à sede da Apae, a reportagem do JOGO SÉRIO testemunhou mais um apuro do cotidiano turbulento da entidade, com funcionários e dirigentes em busca da solução rápida: “Foi uma informação interna que acabou vazando para os grupos de whats app. Realmente, a CEMIG esteve aqui e precisamos do apoio da sociedade. É até comovente a mobilização da população e é exatamente disto que precisamos, pois a Apae é de extrema importância para a sociedade. Paralelamente a isto, estamos trabalhando a questão estrutural da Apae para que ela seja auto-sustentável. Porém, isto demanda muito tempo e, conforme a crise do País, com recursos que às vezes não vêm na hora certa... está vindo com atraso... e estamos trabalhando para evitar o fechamento, pois a Apae é uma entidade de suma importância. Agradecemos a população, a Apae precisa de vocês! Contudo, a energia não será cortada hoje, embora não tenhamos o dinheiro. Precisamos deste apoio para quitar estas contas e estamos trabalhando para colocar as contas em ordem”, disse o dirigente apaiano, que preside ainda o Rotary Club Guaxu Nascentes.

Em meio aos problemas, a sensibilização popular tem sido espontânea, onde pessoas dispostas a ajudar. Cleide Aparecida Teixeira, da diretoria da Casa da Criança, foi uma das que incomodou-se: “Hoje, o que me trouxe à Apae é o sentimento de impotência, pois estamos juntos nesta causa de atender a crianças. Então, apelo à população de Guaxupé: a Apae presta um serviço que a cidade não pode ficar sim. Temos muitas crianças para serem atendidas aqui. Então, ficar sem energia elétrica doi muito. Então, que os grupos movimentem-se, que seja R$ 2,00! Vamos nos unir em nome das crianças e as famílias que necessitam. A Casa da Criança está junto com a Apae de Guaxupé”, disse a voluntária.

 

 O que diz o presidente?

O presidente da Apae, Elson do Carmo Santos, encontra-se fora de Guaxupé, mas entrou em contato com o JOGO SÉRIO, por telefone. Evidentemente aborrecido, ele fez um desabafo, quando declarou que o “buraco é ainda mais fundo do que parece ser”, apelou mais uma vez pela ajuda da população e criticou veemente o poder público municipal. “Mais uma situação difícil que encontramos e estamos pedindo a ajuda da população novamente, pois como não chegam as verbas suficientes para administrar a Apae, passamos estes problemas. Precisamos contar mais com o poder público. Às vezes, o pessoal acha que não estamos passando a eles, mas todos... a Prefeitura, de modo geral, sabe de toda a situação financeira da Apae. Em seis meses de gestão, desde meu primeiro dia, procurei a Prefeitura e passei toda a transparência possível de nossa gestão. Não tem como ninguém alegar! Inclusive, protocolei há quinze dias, junto à Assistência Social de nossa cidade, que sabe de todas as nossas dívidas, de tudo o que se entra e sai da Apae hoje; o que a Apae necessita para se administrar e continuar”       , declarou Elson, que teria sido informado de que a crise financeira na Apae foi recebida com surpresa por políticos da cidade.

 

“Tirando da reta...?”

Em tom já cansado, não só por conta dos problemas financeiros, mas uma visível desmotivação por dificuldades junto ao poder público, o presidente advertiu: “Não dá! Hoje foi a conta de luz, amanhã será a de água; na semana que vem o telefone, na próxima o combustível... por que? Porque conta chega todos os dias, mas o dinheiro não entra todos os dias! E todos os dias tem alguma conta para cortar, pois não tem dinheiro para pagar. Hoje, não se gasta um centavo da Apae se não for através de cheque, com comprovante do que chegou, com nota fiscal. Então, nossa transparência está a mais clara possível! Se alguém alegar hoje que não sabe que a Apae está passando por uma situação difícil, está ‘tirando o deles da reta para colocar no pessoal da presidência da Apae’! Não! Todos eles sabem! Toda a Administração da cidade sabe de todas as contas da Apae e de tudo o que está para cortar. A conta de luz está para ser cortada hoje, a de água provavelmente será amanhã! O combustível só não foi cortado ainda porque um posto de gasolina nos auxilia muito e num outro nós marcamos e eles ficam esperando três, quatro meses, sem cobrarem juros! Ou seja: só não cortaram porque estão ‘segurando a bronca’! Não temos um centavo para pagar gasolina, água, energia elétrica. O que está sendo cortado hoje é um reparcelamento! Não está sendo cortado porque está devendo agora não! Infelizmente, o ‘buraco é muito fundo’ e a sociedade sabe! Não só ela, como todos os governantes de nossa cidade sabem, mas infelizmente precisa-se acontecer alguma coisa para correr”, ressaltou Elson.

 

APOIO POPULAR e advertência às autoridades!!!

Agradeço muito à população, que já está se manifestando rápido, auxiliando, depositando na conta da Apae e levando seu dinheiro pesoalmente para pagarmos esta conta. O fardo é muito pesado, é muito complicado e a situação é impossível. Eu acho muito estranho, pois estou dentro da Apae através de trabalhos que eu fazia. Agora, eu ajudava muito mais fora do que dentro! E isto aí, todos de minha diretoria sabem! Eu não sou formado em Direito, não sei muito em o que usar, o que falar, mas só sei que gosto de falar a verdade! E, às vezes, a verdade acaba atrapalhando! Às vezes, a verdade, eles não querem que doam”, estampou o presidente, qu acrescentou: “Estes boatos de que a Apae vai fechar já existem desde que ela nasceu, pois vive de doação! Então, necessitamos que a população entenda que precisamos dela para colaborar com a Apae com doações em dinheiro. E que os governantes da cidade precisam deles para auxiliar um pouco mais. E este ‘um pouco mais’ é através de leis, de projetos, de doações e através deles também, para não deixar chegar ao buraco para depois aparecer politicamente. A gente resolveu assumir isto, mas eu não sabia, Carlos, que era um trabalho tão difícil assim! A gente não vê a família, pois praticamente trabalha-se 48h de 24h para se tentar ter um trabalho decente! Mas, poderia ser mais tranquilo se a gente tivesse a colaboração principalmente das autoridades de nossa cidade”, finalizou o presidente Elson.

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.







Quem Somos

Redação: R. Dr. Joaquim Libânio, nº 532 - Centro - Guaxupé / MG.
TELs.: (35) 3551-2904 / 8884-6778.
Email: jornaljogoserio@gmail.com / ojogoserio@yahoo.com.br.