1097
Páginas Visualizadas Hoje

Autor: Carlos Alberto - Data: 04/12/2018 10:47

Catadores atuantes no Aterro Municipal buscam ajuda do poder público para solucionarem seus problemas

Uma reunião ocorrida na sede do Legislativo incluiu um grupo de catadores, além de vereadores e a Secretaria de Desenvolvimento Social
Facebook Twitter LinkedIn Google+ Addthis Catadores atuantes no Aterro Municipal buscam ajuda do poder público para solucionarem seus problemas

Catadores de materiais recicláveis atuantes na área do Aterro Controlado, que fica na Rodovia MG 450, entre Guaxupé e Tapiratiba, tentam se estruturar enquanto associação para cumpri às exigências do Ministério Público, que determinou suas retiradas do local, com vistas ao cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, a qual impede a prática no referido trabalho no local. Extremamente dependentes da atividade em questão, os autônomos têm sido auxiliados, na medida do possível, pela Prefeitura e a Câmara Municipal, onde buscam uma saída para defenderem o sustento de suas famílias, sem que isto resulte em irregularidades.

Os agentes ambientais reuniram-se, há poucos dias, com os vereadores Francis Osmar da Silva, Paulo César Beltrão, Francisco Timóteo de Rezende e Donizetti Luciano dos Santos, na sede do Legislativo, onde também esteve o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Claudinei Vítor. Com cerca de vinte pessoas, os trabalhadores foram incisivos sobre a importância do trabalho realizado no Aterro: “Não há outro lugar com tanta matéria-prima, sendo que o ganho de cada um gira em torno de R$ 1.500,00. Se nos tirarem de lá, como nossas famílias viverão?”, indagou Luiz Aparecido, o “Alemão”. “Já houve tentativas anteriores, mas o rendimento é pouco em todos os sentidos”, acrescentou Anderson Angelini.

Preocupado com a situação e interessado em concretizar o projeto de uma associação de recicláveis no ambiente do Aterro Municipal, o poder público tem agido com vistas à regularização do empreendimento e, como consequência, ir ao encontro do cumprimento à legislação, uma vez que, na prática, o espaço físico do local mais se parece com um “lixão”. Neste aspecto, os quatro vereadores ouviram aos catadores, tendo fiado definido que o grupo apontará um líder, para a criação de uma cooperativa particular. Paralelamente a isto, os políticos tentarão uma medida emergencial junto à Promotoria. Ou seja: os legisladores vão propor que os agentes independentes possam permanecer por lá até a formalizarem a associação, a partir de quando poderão trabalhar em parceria com a entidade que a Prefeitura, via Constroeste, já está viabilizando.

Conforme ainda ficou tratado naquela reunião, além do pedido ao MP, os catadores contarão com o aval da Secretaria de Desenvolvimento Social, que os auxiliará emergencialmente com cestas-básicas, leite e outros benefícios, enquanto resolvem o impasse com a Promotoria e a cooperativa: “Ninguém quer e nem pode ir contra a lei, mas é óbvio que eles dependem do que retiram do Aterro para sustentarem suas famílias”, comentou Francis. “Com os vereadores demonstrando este empenho, com certeza a melhor solução será tomada. A Prefeitura está à disposição, mas será preciso aprovação da Câmara, além de autorização do Ministério Público e que esta cooperativa seja criada por pessoas responsáveis, que administrem e contribuam, de fato, com os catadores”, finalizou Claudinei. Outra reunião, por estes dias, ainda deve acontecer entre as partes.  

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.







Quem Somos

Redação: R. Dr. Joaquim Libânio, nº 532 - Centro - Guaxupé / MG.
TELs.: (35) 3551-2904 / 8884-6778.
Email: [email protected] / [email protected]