323
Páginas Visualizadas Hoje

Autor: Carlos Alberto - Data: 30/10/2019 19:45

Empresário de Guaxupé garante que sistema fotovoltaico ficaria a metade do preço e funcionaria 100%

Juscelino Ferraz prestou depoimento à CPI da Câmara de Guaxupé, nesta quarta, 30 de outubro
Facebook Twitter LinkedIn Google+ Addthis Empresário de Guaxupé garante que sistema fotovoltaico ficaria a metade do preço e funcionaria 100%

O empresário Juscelino Ferraz de Araúdo, da RA Energia Solar, prestou depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito formada pela Câmara Municipal de Guaxupé para apurar supostas irregularidades na implantação do sistema de energia fotovoltaica nos trevos locais. Conforme já divulgado, o tema foi levado ao Legislativo pelo vereador Jorge Batista Bento da Paz (Jorginho), o qual garante que a Prefeitura poderia ter gasto a metade (em valores) do que investiu no projeto. Mais do que isto, o parlamentar quer provar que o sistema não atende aos propósitos de ser auto-sustentável e ainda gerar energia elétrica gratuita para prédios públicos.
Juscelino foi ouvido nesta tarde de quarta-feira, 30 de outubro, na sede da Câmara, pelos membros da CPI: Donizetti Luciano dos Santos (Zettinho, presidente), Paulo César Beltrão (Paulinho, relator) e Ari Cardoso (membro). Em pouco menos de vinte minutos, o convidado respondeu a questões formuladas pela Comissão, tendo o entrevistado a todo momento afirmado que o Município pagou R$ 2 milhões para iluminar os trevos do Japy, Pólo Industrial e Rodovia Jamil Nasser, mas o serviço, orçado pelo próprio Juscelino, ficaria em, no máximo, R$ 1 milhão. "E isto não só naquela época não, mas também nos dias de hoje", afirmou o empresário, que deu entrevista ao JOGO SÉRIO após prestar depoimento.
O dono da RA garantiu, também, que os serviços executados pela empresa Riccel Construções Elétricas, em 2015, não foram aprovados pela CEMIG e geram, no máximo, 30% de energia. "Se fosse minha empresa a responsável por realizar o projeto, garanto que a economia seria de 100% e, além disto, sobrariam créditos em energia elétrica para abastecer vários prédios públicos. Então, afirmo que o povo saiu prejudicado, pois estamos falando de dinheiro público", disse Juscelino, que não participou da licitação para o referido serviço: "Não participamos porque não tínhamos, na época, cinco anos de atividades", disse o empresário.
Além dos três membros da CPI, também Jorginho interrogou o depoente. Autor das denúncias, o vereador fortaleceu a tese de que houve má administração do dinheiro público com o sistema: "Não funcionou como deveria e o governo municipal fez uma grande propaganda em cima disto, ainda mais em plena campanha eleitoral! Se era para gerar 100% de energia solar, por que só gera 30% e isto depois de minha representação no MP? Foram R$ 2 milhões mal gastos e temos aqui um empresário da cidade que mesmo quatro anos depois garante ser possível fazer o mesmo serviço, gerando os 100% prometidos e ainda por R$ 1 milhão!", questionou Jorginho.
Esta foi a segunda oitiva da CPI do sistema fotovoltaico. Na semana passada, o próprio Jorginho foi ouvido, quando detalhou o motivo pelo qual denunciou o projeto fotovoltaico à Promotoria de Justiça. Com sessenta dias para apurar os fatos e, em seguida, emitir relatório sobre o conteúdo, o trio de vereadores deve ouvir ainda membros da atual Administração Pública Municipal. Também está prevista a participação de especialistas em projetos de construções elétricas, os quais deverão dar seus pareceres. Veja, no www.jornaljogoserio.com.br, outros conteúdos sobre este assunto.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.







Quem Somos

Redação: R. Dr. Joaquim Libânio, nº 532 - Centro - Guaxupé / MG.
TELs.: (35) 3551-2904 / 8884-6778.
Email: jornaljogoserio@gmail.com / ojogoserio@yahoo.com.br.